Uma centena de embarcações a menos

  • 01/02/2017

A frota de apoio marítimo brasileira encerrou 2016 com 398 embarcações, 29 a menos que no ano anterior, numa queda de 15%. Em relação ao mesmo mês de 2014, a redução é de 102 embarcações (-20%). Os dados são da Abeam.

Como nos anos anteriores, os PSVs e OSRVs representam praticamente metade da frota, embora em quantidade menor: em dezembro de 2016, esses barcos totalizavam 196 unidades, ante 210 em 2015 e 248 em 2014.

Com 69 barcos, os LHs/SVs respondiam pela segunda maior fração da frota no encerramento de 2016, com 17%. Na sequência estavam os AHTSs (56 barcos/ 14%) e crew/FSVs (28 unidades ou 7% do total).

Utilizadas para transporte de pessoal e carga, essas últimas embarcações foram, por sinal, as únicas cuja frota apresentou crescimento em relação a 2014. Em dezembro, elas somavam 28 unidades, crescimento de 27% ante as 22 em 2014.

O maior decréscimo relativo observado, na mesma base de comparação, foi na frota de AHTSs, que teve queda de 41,7%, encerrando 2016 com 56 embarcações – 40 a menos que em dezembro de 2014.

Os dados da Abeam não incluem embarcações dos tipos lanchas, pesquisa e flotel, nem embarcações com porte inferior a 100 TPB ou BHP inferior a 1.000.

Bandeira

No triênio, a parcela de embarcações de apoio de bandeira brasileira cresceu quase 30 pontos percentuais, subindo de 243 (sobre um total de 500) para 302 embarcações (sobre 398), alcançando 76% do total.

Os dados refletem a redução das atividades de E&P no país. Como e legislação brasileira prioriza a contratação de embarcações nacionais, muitos barcos estrangeiros deixaram o país no período.

Fonte: Brasil Energia – João Montenegro
01/02/2017|Seção: Notícias da Semana|Tags: , |