Petrobras seguirá com otimização da logística offshore

  • 12/05/2017

Não há perspectiva de aumento da frota no médio prazo”, afirma a diretora de E&P, Solange Guedes

A frota de apoio marítimo da Petrobras não voltará a crescer tão cedo. De acordo com a diretor de E&P da companhia, Solange Guedes, o esforço da companhia hoje é de otimizar a frota.

“Não há perspectiva de aumento da frota no médio prazo”, afirmou, durante coletiva de imprensa nesta quinta-feira (11/5), após a apresentação dos resultados financeiros do primeiro trimestre. “A Logística offshore é muito importante, com grande impacto em nossas operações”, frisou.

A executiva ressaltou que a perspectiva vale, inclusive, para “embarcações especiais”, mas não entrou em detalhes. Entre os barcos que costumam ser classificados dessa forma estão os PLSVs, de lançamento de linhas submarinas, cuja frota atual é composta por cerca de 20 unidades.

Segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Navegação de Apoio Marítimo (Abeam), existem hoje cerca de 380 embarcações de apoio marítimo no país, sendo que a principal contratante é a Petrobras.

Descomissionamento

Questionada quanto às perspectivas sobre o descomissionamento de plataformas, Solange disse que há cinco áreas em início de descomissiomanento, mas não detalhou quais são.

Entre os ativos incluídos nos planos de descomissionamento da empresa estão os campos de  Cação, Voador e Marlim, na Bacia de Campos.

Sobre o problema com o Coral Sol, que tem inviabilizado o descomissionamento de algumas plataformas devido a questões ambientais,

Solange assinalou que todas as operações estão sendo discutidas com o Ibama e ANP. “Não há uma definição ainda precisa sobre a forma de alienação das plataformas flutuantes que serão descomissionadas”, explicou.

Fonte: Brasil Energia –  Gabriela Medeiros e João Montenegro
12/05/2017|Seção: Notícias da Semana|Tags: , |