Brasil na mira do Cosco

  • 17/04/2018

Apostando na retomada do mercado interno, grupo chinês firma contrato para representação comercial com a JVCS

O estaleiro Cosco quer expandir suas atividades no Brasil. O grupo chinês firmou contrato de representação comercial com a JVCS Consulting para identificar novas oportunidades de negócios no país, com foco desde apoio a operação de financiamentos e serviços de construção naval.

Válido por um ano, o contrato visa aproximar o Cosco das contratantes no Brasil e elaborar análise de mercado, com vistas a fazer com que o estaleiro chinês volte a ter uma participação relevante no mercado brasileiro e possa agregar maior competitividade.

O acordo entre o Cosco e a JVCS foi firmado em março, mas as duas empresas não revelam o valor do negócio. As primeiras conversas entre os dois grupos tiveram início em novembro. O trabalho incluirá também o apoio na elaboração de propostas e na identificação de eventuais parceiros.

Contratado por terceiros, o Cosco teve nos últimos anos uma participação expressiva na área de construção de FPSOs e de sondas para o Brasil, tendo participado dos projetos do Ecovix e do Enseada do Paraguaçu. Para se ter uma ideia do volume de trabalho executado nesse período, dos oito FPSOs da Petrobras programados para entrar em operação neste ano, seis passaram pela Cosco, seja na conversão do casco, engenharia ou módulos.

Embora não haja a princípio planos para construção de um estaleiro por aqui, o contrato com a JVCS pode vir a ser o primeiro passo para uma entrada mais forte e de longo prazo no mercado brasileiro. Além da parte de construção e engenharia, o Cosco tem expertise no segmento de financiamento e garantias, com acesso ao Banco Chinês de Desenvolvimento.

De acordo com Francisco Dezen, sócio diretor da JVCS Consulting, um dos pontos iniciais do contrato será fazer com que o Cosco entenda a dinâmica do mercado brasileiro, tendo em vista a relação que será estabelecida entre o conteúdo local e conteúdo estrangeiro.

“A Cosco quer continuar tendo uma posição relevante no Brasil e o grupo é um ótimo parceiro, seja para o afretador seja para a companhia de óleo. A capacidade que o grupo tem de engenharia e de experiência com estaleiros brasileiros é um ativo muito valioso para o cliente final porque ela vai ter um parceiro que conhece”, afirma o executivo.

Com forte experiência no setor, o Cosco mantém hoje, após a fusão com a China Shipping, em 2016, um total de 11 plantas na China, com capacidade para 11 milhões de toneladas. Originalmente o grupo detinha um total de oito estaleiros, sendo dois em sociedade com a Kawasaki.

Criada em 2008, a JVCS Consulting vem ampliando sua atuação na área de petróleo no último ano, desde a chegada de Dezen, ex-executivo da Dome e da Prumo. O grupo já firmou mais de 100 contratos ao longo deste período de dez anos e mantém no momento seis contratos, sendo três na área de petróleo. Entre os projetos em outras áreas, está a Siderúrgica Três Lagoas (Sitrel).

Um dos pontos de atenção de atenção da JVCS  é desinvestimento da Petrobras e seus possíveis interessados. Entre os projetos do grupo brasileiro em carteira está a implantação de uma planta de etanol a partir de resto de biomassa, com investimentos de US$ 150 milhões e mais um projeto para implantação de um novo porto na costa brasileira.

Fonte: Brasil Energia – Claudia Siqueira
17/04/2018|Seção: Notícias da Semana|Tags: , |