SBM fica de fora de licitação de Búzios V tornando processo menos competitivo

  • 21/05/2018

Apenas Modec, Exmar e a Misc Behard disputam contrato de afretamento do FPSO da cessão onersosa

A Modec, Exmar e a Misc Behard estão disputando o contrato de afretamento do FPSO Búzios V. As três empresas foram as únicas a apresentar propostas na licitação da Petrobras. A supresa ficou por conta de a SBM de ter ficado de fora, ao contrário da estratégia adotada nas três últimas concorrências da petroleira para as unidades de Tartaruga Verde, Libra I e Sépia.

A iniciativa de ficar de fora foi aprovada pelo Conselho do grupo no exterior, mas não há confirmação se a estratégia foi sugerida pela equipe do Brasil ou determinada pela alta direção. Mesmo estando impossibilitada de assinar novos contratos com a petroleira em razão dos escândalos de corrupção, a empresa vinha sendo convidada para participar das licitações. Nas últimas concorrências, apresentou propostas na expectativa de que seu bloqueio pudesse ser liberado a qualquer momento, tendo em vista a aprovação pelo TCU de seu acordo de leniência com a CGU no fim de 2017. Sem a formalização do acordo, a empresa acabava sendo desclassificada dos processos, sem ter suas propostas comerciais abertas.

O custo de elaboração de uma proposta para licitações de FPSOs é expressivo e pode variar de US$ 5 milhões a US$$ 10 milhões. Ainda que impossibilitada de assinar novos contratos com a Petrobras, a participação da SBM nas últimas licitações tinha um efeito positivo para a petroleira. Mantinha a competitividade do processo diante de uma eventual possibilidade de liberação legal do grupo, o que exercia impacto nas propostas comerciais dos demais participantes.

Intencional ou não, na prática a estratégia da SBM funciona como uma ferramenta de pressão à Petrobras e aos órgãos de governo. Ameaçada pela ausência do grupo, prevalece a percepção de que a petroleira acaba ficando mais exposta à Modec, que junto com a empresa holandesa, divide o posto de maior empresa de FPSOs.

A decisão da SBM foi tomada com foco exclusivo na licitação de Búzios V. O grupo holandês avaliará a cada licitação da petroleira sua participação. No mercado, prevalece a aposta de que a decisão deve ser mantida se a assinatura de novos contratos permanecer bloqueada .

Propostas

Modec e Exmar apresentaram duas propostas distintas cada, uma para o conteúdo local mais alto e outra para o conteúdo local menor, conforme permitido no edital. Misc Behard entregou apenas um envelope, com cotação para compromisso nacional mais brando. De acordo com as regras da licitação, a petroleira abrirá inicialmente as propostas com maior conteúdo local. As propostas com conteúdo local menor só serão abertas caso os preços apresentados no primeiro lote extrapolem o orçamento elaborado pela área técnica.

Com outras três licitações em curso para o afretamento de quatro FPSOs (Marlim I e II, Mero II e Parque das Baleias), a aposta é de que a Petrobras agilize a etapa de qualificação técnica para tentar garantir a abertura das propostas comerciais ainda em maio, sobretudo diante da ausência da SBM no processo.

O FPSO de Búzios V ficará afretado pelo prazo de 21 anos, com possibilidade de prorrogação por igual período, e será instalado na parte Norte do campo. A unidade terá capacidade para produzir 180 mil barris/dia de óleo e processar 12 milhões de m3/dia de gás. A previsão de entrada em operação é 2021.

A licitação para o afretamento do FPSO de Búzios V foi lançada em maio de 2017 e, desde então, a data de entrega de proposta foi adiada oito vezes.

Fonte: Brasil Energia – Claudia Siqueira
21/05/2018|Seção: Notícias da Semana|Tags: , |