Sistema de riser híbrido da Ocyan

Ocyan, Magma e Brasfels formam joint-venture para sistema de risers

  • 05/12/2018

As três empresas se uniram para produzir e comercializar sistema de torre de risers que viabiliza solução híbrida

Vice-presidente da Ocyan, Jorge Mitidieri, durante evento que formalizou joint-venture

 

Ocyan, Magma e Brasfels assinaram nesta terça-feira (4/12) um acordo para a produção e comercialização da solução CompRiser, sistema de torre de risers que viabiliza um sistema híbrido desses equipamentos. A assinatura da aliança ocorreu com a presença de executivos das três empresas na sede da Ocyan, no Rio de Janeiro.

O principal mercado almejado pela joint-venture é o de águas profundas e ultraprofundas brasileiro. Desse modo, a ideia das empresas é levar às operadoras uma solução para fazer frente aos desafios impostos ao uso de linhas flexíveis em situações de alta temperatura e pressão e com a presença de gases corrosivos (CO2 e H2S).

Assim, o grupo deve ficar de olho na contratação dos próximos FPSOs da Petrobras. No entanto, os mercados do oeste da África e México também estão na mira da nova empresa. A joint venture pretende fechar o primeiro negócio já em 2019. No entanto, os executivos dos grupos não arriscam um market share para o novo sistema. No momento, a operação não envolverá aporte de recursos de nenhuma das três empresas.

O CompRiser é um sistema de torre de risers criado em parceria com a Magma Global. Toda a engenharia e detalhamento do projeto é da Ocyan e o sistema irá usar o compósito mpiper, fabricado pela Magma. A grande novidade hoje foi o anúncio do Brasfels como parceiro da joint-venture, onde serão montados os sistemas vendidos. Inicialmente, o plano das empresas era subcontratar o Brasfels para montar o equipamento. No entanto, as empresas resolveram trazer o estaleiro para dentro do projeto.

“Montar a torre no Brasil seria um complicador, por isso trouxemos o Brasfels para dentro da parceria, pois precisávamos de alguém com essa expertise”, afirmou o vice presidente da Ocyan, Jorge Luiz Mitidieri.

Sistema de riser híbrido da Ocyan

Alta resistência

O sistema foi apresentado pela primeira vez ao público durante a Rio Oil & Gas neste ano.

O duto de composição termoplástica (TCP – Thermoplastic Composite Pipe) usado no CompRiser promete alta resistência à corrosão (por exemplo CO2 e H2S), significativa redução de peso e a possibilidade de suportar alta temperatura e pressão. Sua flexibilidade mecânica permite o projeto de um novo conceito para a terminação inferior, que possibilita ao riser ser conectado diretamente ao flowline – tanto rígido quanto flexível.

O CompRiser tem alto índice de conteúdo local. O duto é entregue em bobinas e não requer solda, o que simplifica a montagem do bundle, que pode ser realizada em menos de 30 dias. A instalação offshore leva outros 20 dias, sem a necessidade de embarcações especiais e pouca exposição a condições de mau tempo.

Como uma solução desacoplada, o produto utiliza menos de 20% da carga aplicada pelas outras soluções nas unidades de produção. O resultado dessa diferença pode ultrapassar 9.000 toneladas-força por FPSO, condicionado à quantidade de risers do projeto.

Os projetos de águas profundas que utilizam linhas flexíveis estão em xeque desde as falhas apresentadas em sistemas de produção da Petrobras que utilizam essa solução. A Petrobras está inclusive contratando uma consultoria para ampliar as investigações nas falhas apresentadas nesses projetos.

Fonte: Brasil Energia – Roberto Francellino
05/12/2018|Seção: Destaque Superior 300px|Tags: , , , |