Estaleiros negam responsabilidade por atrasos de plataformas

  • 26/05/2021

Sinaval alega que muitas unidades foram entregues por estaleiros nacionais dentro do prazo contratado e, em alguns casos, até mesmo com adiantamento em relação às datas contratuais.

O Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval) declarou, nesta terça-feira (25), que a decisão da Petrobras de encomendar plataformas em estaleiros asiáticos não foi tomada em decorrência de problemas quanto à qualidade dos produtos brasileiros. O posicionamento se deu após a apresentação da companhia na Comissão Especial de Indústria Naval da Alerj, na última segunda-feira (24), estimando que os atrasos na entrada em produção de algumas unidades, no passado recente, representaram atraso médio de 32 meses, com impacto na arrecadação de US$ 12,6 bilhões.

De acordo com o Sinaval, houve obras recebidas do exterior destinadas à Petrobras que apresentaram problemas técnicos. O sindicato citou plataformas construídas na China que precisaram ficar ancoradas na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, por longos períodos para reparos e complementações por empresas brasileiras. Para o Sinaval, a qualidade dessas unidades mostrou-se deficiente e as plataformas deixaram de produzir petróleo e gás por meses.

O Sinaval citou o caso da FPSO P-67 que, após chegar da China em julho de 2018, passou por reparos na Baía de Guanabara antes de entrar em serviço no campo de Lula Norte, na Bacia de Santos. O sindicato alega que o prejuízo com o adiamento da produção de petróleo em mais de seis meses por essa plataforma nunca foi divulgado. “A Petrobras, em sua manifestação à Alerj, não menciona esse e outros atrasos na produção dos campos nem informa os prejuízos causados ao país e, particularmente, ao estado do Rio de Janeiro, preferindo, injustamente, destacar atrasos que seriam provocados somente pela indústria naval brasileira”, apontou em nota, assinada pelo presidente do Sinaval, Ariovaldo Rocha.

A entidade salientou que muitas plataformas foram entregues por estaleiros brasileiros dentro do prazo contratado e, em alguns casos, até mesmo com adiantamento em relação às datas contratuais, tendo alguns estaleiros recebido da Petrobras prêmios de desempenho e cumprimento de prazos. “Em alguns contratos, ocorreram atrasos, mas, em inúmeras oportunidades, esses atrasos foram devidos a modificações nos projetos por parte da própria Petrobras”, contestou.

O Sinaval ressaltou que estaleiros estrangeiros dificilmente aceitam o grau de alterações durante a execução das obras que a petroleira pratica nas contratações à indústria naval brasileira. Além disso, mencionou que, agora e no passado, sempre houve notícias de atrasos consideráveis nas entregas de várias unidades encomendadas em estaleiros asiáticos. “A manifestação da Petrobras procura atribuir ao conteúdo local a responsabilidade por atrasos, mas prefere ignorar os benefícios ao país e à sociedade brasileira em termos de geração de renda local nos estados onde as obras foram executadas e de geração de empregos de qualidade proporcionados por essas obras”, destacou Rocha.

A avaliação dos estaleiros nacionais é que a posição a favor da competitividade, sem reserva de mercado e com conteúdo local compatível, não leva em conta os interesses do país. O entendimento do Sinaval é que níveis adequados de conteúdo local não significam a adoção de reserva de mercado. O sindicato considera que tal política foi estimulada pela Petrobras nas administrações anteriores ao governo Temer e classifica seu baixo nível atualmente em vigor como ‘retrocesso’, com consequências danosas para a indústria brasileira e seus trabalhadores.

O Sinaval reiterou que a questão da competitividade da construção naval brasileira merece uma reflexão mais profunda, na medida em que nenhuma indústria brasileira consegue ser competitiva com os preços praticados na Ásia, sobretudo na China. As principais causas, para o sindicato, estão no Custo Brasil, que onera a produção nacional; na participação de governos asiáticos em favor de suas empresas nas concorrências internacionais; no regime de trabalho nesses países; e na carga de impostos diretos e indiretos que prejudica a indústria brasileira. No caso da Indústria Naval, sabe-se que os governos asiáticos apóiam e favorecem seus estaleiros com subsídios e práticas que não existem no Brasil.

“Nossa Indústria naval não tem condições de competir com a asiática nessa questão dos preços, embora seja competitiva na construção de muitos outros produtos em que os estaleiros asiáticos não têm relevância internacional”, manifestou o Sinaval, que acredita que uma demanda perene contribuiria para a redução progressiva dos custos brasileiros.

De acordo com o Sinaval, o progresso dessa indústria foi interrompido após 2014, depois de um período de cerca de 15 anos a partir do ano 2000. O sindicato acrescenta que esse foi um período mais curto do que a indústria naval da Ásia teve para se alavancar. “A decisão de contratação de plataformas na China pelo menor preço ofertado é, portanto, injusta e prejudica não só os estaleiros brasileiros como também as indústrias de navipeças nacionais”, enfatizou na nota.

Para o sindicato, a ‘virtual paralisação dos estaleiros’ contribuiu para agravar o desemprego do país, com a perda de cerca de 70 mil postos de trabalho só nos estaleiros e de 300 mil nas indústrias que compõem a sua cadeia produtiva. O Sinaval alertou para o risco da perda de bilhões de reais investidos em estaleiros nacionais de ponta. “O projeto de atendimento à demanda que norteou a decisão de investimentos na construção e modernização de estaleiros foi desconsiderado e a situação hoje é de desalento na indústria naval em vários estados. Isso pode ser revertido, entretanto, se houver, por parte do governo brasileiro e da Petrobras, o necessário e urgente reconhecimento de que tal situação não pode mais perdurar”, concluiu Rocha.

Durante a reunião da comissão da Alerj, o gerente setorial de conteúdo local da Petrobras, Edival Dan Junior, relatou que a companhia precisou fazer a realocação de plataformas que tiveram atraso médio de 32 meses e comparou que houve plataformas construídas em 34 meses. Segundo Dan, esse risco gerou necessidade de realocação das plataformas e contratação de plataformas no exterior. “Naquele momento, foi impactante à entrada em operação do primeiro óleo. Só não foi maior porque houve o processo de realocação”, lembrou.

Fonte: Portos e Navios – Danilo Oliveira
26/05/2021|Seção: Destaque Superior 150px|Tags: , , |