O SINAVAL é a instituição que representa
os estaleiros brasileiros instalados
em diversas regiões do país.

SINAVAL Informa

Sergio Bacci entrega ao economista Guilherme Mercês a Agenda do SINAVAL

Em prosseguimento aos contatos do SINAVAL com os candidatos a cargos nas eleições deste ano, o Vice-Presidente Executivo Sergio Bacci foi recebido nesta segunda-feira, dia 24, pelo economista Guilherme Mercês, indicado pelo Senador Romário, candidato a Governador do Estado do Rio de Janeiro, como seu futuro Secretário da Fazenda.
Na foto, Bacci com Guilherme Mercês, que recebeu um exemplar da “Agenda do SINAVAL para as eleições de 2018”, com as propostas aos candidatos.

Conteúdo Local – No setor Óleo & Gas e Defesa

BNDES -Setor de petróleo e gás vai receber investimento de R$ 290 bi Defesa depende do Governo O tópico Conteúdo Local tem sido polêmico e de grande impacto econômico. Gerou grandes erros estratégicos, na área de Óleo & Gas,  e agora entra como um item relevante no Programa Corveta Classe Tamandaré. DefesaNet acompanhou o Fórum Conteúdo Local: Retomada […]

Governo da Bahia cria força-tarefa para reaquecer Indústria Naval no Estado

O governo do Estado da Bahia criou uma força-tarefa, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), para viabilizar o reaquecimento do setor da Indústria Naval na Bahia. O foco é a retomada de operação do estaleiro Enseada, instalado e licenciado em Maragogipe, no Recôncavo baiano. Único de 5ª geração no Brasil, com tecnologia de ponta e qualidade na produtividade, o Enseada já foi um celeiro de oportunidades e chegou a empregar mais de 7,4 mil pessoas, em sua maioria do Recôncavo. A intenção é atrair investidores e parcerias, além do apoio institucional, para que o empreendimento volte a gerar emprego e renda na região.

Ameaça à cabotagem

O SINAVAL enviou em 10 de setembro cartas ao Presidente Temer e ao TCU, registrando sua posição contrária à possibilidade de abertura do setor de cabotagem à exploração por empresas da Europa, como decorrência das negociações entre o Mercosul e a União Europeia para estabelecimento de um acordo de livre comércio entre os dois blocos econômicos.
A preocupação maior do SINAVAL é a eventual adoção, pelo Governo brasileiro, de medidas comerciais prejudiciais à competitividade das empresas brasileiras frente às empresas de navegação europeias, agravando um cenário que há muitos anos já é desvantajoso para nossas empresas.
A cabotagem é um mercado importante para a Indústria Naval brasileira, que hoje luta por seu reerguimento numa conjuntura nacional muito desfavorável. Por isso, o SINAVAL está apoiando a posição das entidades desse segmento da Navegação Nacional.
Carta ao Presidente Temer
Carta ao Ministro José Múcio Monteiro – TCU

Estaleiro Atlântico Sul vai investigar navios do Pré-Sal

Empreendimento sugere que navios estrangeiros estariam sendo usados no transporte do petróleo do pré-sal, o que infringe as regras da cabotagem e debilita ainda mais a indústria naval brasileira Com 10 anos de produção, o Pré-Sal já gera 1,5 bilhão de barris de petróleo por dia. O número é celebrado pela Petrobras porque já supera a produção do Reino Unido e ainda deve crescer. Porém não anima a indústria naval brasileira. O Estaleiro Atlântico Sul (EAS), situado no Litoral Sul de Pernambuco, explica que, apesar de os estaleiros nacionais estarem precisando de encomendas para se manter em atividade, há indícios de que a maior parte desse óleo não tem sido transportado por navios fabricados no Brasil, mas por embarcações importadas da China.

Indústria naval luta para se manter viva no Brasil

Às vésperas das eleições, a diretoria do Sindicato Nacional da Indústria de Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval) peregrina pelo Brasil com uma cartilha de 20 páginas para entregar a presidenciáveis e candidatos a governador, na tentativa de explicar a importância de adotar políticas para evitar o naufrágio do setor no País. A expectativa é que a redefinição do cenário político possa significar a chance de a atividade emergir. Depois do Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Espírito Santo, ontem foi a vez do Sinaval entregar o documento às equipes de Paulo Câmara e Armando Neto.

Sinaval pede apoio para recuperar a indústria naval

A falta de encomendas fechou 60 mil empregos e 30 estaleiros da indústria naval brasileira só nos últimos quatro anos. E, se persistir, pode acabar com os 25 mil postos de trabalho que ainda existem nos 12 estaleiros que seguem funcionando no País. Por isso, o Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval Offshore (Sinaval) elaborou uma agenda, com pleitos que podem contribuir com a recuperação do setor, para as eleições deste ano. O material está sendo entregue aos candidatos à Presidência e também aos candidatos ao Governodos estados que detêm estaleiros. Em Pernambuco, foi apresentada nessa terça-feira (4) pelo vice-presidente-executivo do sindicato, Sérgio Bacci.

SINAVAL Informa

Vice-Presidente do SINAVAL encontra candidatos de PE para discutir Agenda da Indústria Naval para as eleições de 2018

O Vice-Presidente do SINAVAL Sergio Bacci esteve nesta terça-feira dia 4 de setembro com o Governador de Pernambuco, Paulo Câmara, e entregou ao Secretário de Desenvolvimento Econômico daquele Estado, Antonio Mario de Abreu Pinto, a “Agenda do SINAVAL para as eleições de 2018”, com as principais proposições para o reerguimento da Indústria Naval e Offshore brasileira. Em outro encontro na mesma data, Bacci foi recebido pelo Senador Armando Monteiro, candidato a Governador de Pernambuco, e entregou a Agenda do SINAVAL ao Chefe de Gabinete do Senador, Aguinaldo Viriato. Na foto, Sergio Bacci com o Secretário Abreu Pinto.

Brasfels termina obras na plataforma P-69 que já está seguindo para primeiros testes no Campo de Lula

Depois de ter chegado no dia 28 de março do ano passado para a etapa de conclusão e instalação de seus 18 módulos, a Plataforma P-69 ficou pronta e já saiu do Estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis, para os primeiros testes. No estaleiro foi feita toda integração, que compreende a instalação dos módulos sobre o casco, a interligação de todos os equipamentos da plataforma e o comissionamento dos sistemas operacionais (conjunto de testes para verificar se os sistemas estão de acordo o projetado e aptos para o funcionamento adequado).

Paes promete pressão sobre Petrobras e MP para retomada de empregos na indústria naval

Candidato falar em gerar ao menos 40 mil empregos no setor, sucateado por corrupção. O candidato ao governo do Rio Eduardo Paes (DEM) creditou a queda da indústria naval no estado a uma "mudança de política" do governo federal e da Petrobras, de olho na geração de empregos e no sucateamento que o setor sofreu após denúncias recorrentes de corrupção investigadas pela Lava-Jato.

Leilões da ANP e cabotagem abrem mais oportunidades

Em meio à crise da construção naval brasileira, com escassez de encomendas e magra carteira de projetos, algumas oportunidades de recuperação do setor começam a ser vislumbradas, a partir da retomada dos leilões de áreas de petróleo pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Estrangeiros veem oportunidades no país

A licitação pela Marinha do Brasil para compra de quatro corvetas atraiu para o país o interesse de alguns dos principais estaleiros especializados em equipamentos bélicos do mundo, como o indiano Goa Shipyard Ltd, e europeus, como o inglês BAE Systems, o francês Naval Group, o alemão Thyssenkrupp, o italiano Fincantieri e o grupo holandês Damen, que entraram na concorrência com parceiros nacionais.

Rio perde 30 mil postos de trabalho em 4 anos

Desde o início da crise do setor, há quatro anos, a indústria naval perdeu 67% dos empregos, indo de 82.472 postos de trabalho em dezembro de 2014 para 26.944 posições em junho deste ano. Os dados são do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval), que credita o cenário adverso a uma série de fatores, como as crises do setor de petróleo e da Petrobras, a Lava-Jato e a política de redução do conteúdo local.

Sem previsão de encomendas no curto prazo, horizonte é incerto

O horizonte permanece nublado para a indústria naval, que sobrevive sem saber ao certo como será o volume de pedidos para os próximos cinco anos. Incertezas em relação à retomada das encomendas pela Petrobras, sobre o nível de conteúdo nacional e o lançamento de medida provisória que permitirá a destinação de recursos para que a Marinha do Brasil encomende embarcações a estaleiros do país colocam uma interrogação sobre o nível de produção e de emprego no setor a partir de meados de 2019, quando serão entregues cinco navios petroleiros e uma plataforma de produção de petróleo.

Conteúdo local pode estimular demanda

A indústria naval tem uma grande expectativa, que poderia ajudá-la a sobreviver na próxima década: as modificações na exigência de conteúdo local para as encomendas de embarcações nas novas licitações de petróleo, com a inclusão da fabricação de cascos de navios em uma categoria separada.

Fundo da Marinha Mercante tem R$ 3,8 bi para 2018 e espera projetos de estaleiros

Há dinheiro no Fundo da Marinha Mercante a espera de projetos dos estaleiros. Segundo a Secretaria de Fomento e Parcerias (SFP), do Ministério dos Transportes, o FMM tem R$ 3,8 bilhões disponíveis no orçamento para liberação em 2018. Desse total, R$ 1,6 bilhão milhões já foi liberado até meados de agosto, por meio de instituições como o BNDES, o Banco do Brasil, a Caixa, o BNB e o Basa, bancos responsáveis pela distribuição dos financiamentos.

SINAVAL Informa

Vice do SINAVAL encontra-se com candidato a Governador do RJ

Dando prosseguimento à série de encontros do SINAVAL com os candidatos a cargos eletivos em 2018, o Vice-Presidente da Entidade, Sergio Bacci, encontrou-se com o candidato a Governador pelo PDT, Pedro Fernandes, sábado dia 25 de agosto, em Niterói. O candidato declarou que pretende atuar com empenho em defesa da indústria de óleo e gás e recebeu de Bacci a Agenda do SINAVAL para as eleições de 2018, prometendo estudar com atenção as proposições do SINAVAL para retomada do desenvolvimento da indústria naval brasileira.

TACs para conteúdo local aguardam TCU

A diretoria da ANP retirou de pauta a consulta prévia relativa aos termos de ajustamento de conduta (TACs) de conteúdo local para projetos de exploração ou desenvolvimento da produção com fases já encerradas ou devolvidos.

Conteúdo local volta ao centro do debate da construção naval

A flexibilização da política de conteúdo local voltou a polarizar o setor de óleo e gás. Em meio à forte adesão das petroleiras às novas regras que permitem a redução dos percentuais de nacionalização, os estaleiros alertam para a falta de perspectivas de grandes contratações e prometem uma série de medidas judiciais e administrativas para reverteras mudanças das regras. A Agência Nacional de Petróleo (ANP), por sua vez, prega a busca de um consenso para garantir a competitividade do setor petrolífero como um todo.

Estaleiros defendem o conteúdo nacional

Em meio à grande adesão das companhias de petróleo que atuam no Brasil às novas regras que permitem a redução dos percentuais de nacionalização dos equipamentos em seus projetos, os estaleiros alertam para a falta de perspectivas de grandes contratações e prometem uma série de medidas judiciais e administrativas para reverter as mudanças.

Manutenções da Petrobras em 2019 podem ajudar a manter estaleiros abertos

A Petrobras está conversando com estaleiros brasileiros para possíveis contratos de manutenções dos seus navios em 2019, quando pretende fazer pelo menos 17 docagens (manutenções), informou o gerente executivo de Logística da Petrobras, Claudio Mastella. Prática comum a qualquer petroleira, as docagens podem evitar que alguns estaleiros brasileiros fechem enquanto não recebem novas encomendas, afirmou Mastella.

EAS busca alternativas para 2019

Na reta final das obras de construção dos três últimos petroleiros aframax encomendados pela Transpetro, o Estaleiro Atlântico Sul (EAS) busca alternativas para manter suas atividades a partir de 2019. Controlado pela Camargo Corrêa e Queiroz Galvão, a companhia não vê perspectivas de novos contratos para cascos de plataformas, após a flexibilização da política de conteúdo local, mas mira oportunidades para fornecer navios de cabotagem (navegação entre portos marítimos de um mesmo país, sem se distanciar da costa) no curto prazo.

EAS: Tempo de entrega de navios se aproxima do mercado internacional

O Estaleiro Atlântico Sul (EAS) conseguiu quintuplicar seu nível de produtividade desde a sua construção no Complexo Industrial de Suape, em Pernambuco, disse nesta segunda-feira (27) Hermann Ponte e Silva, diretor do estaleiro. Para ele, a empresa tem feito, desta forma, seu “dever de casa”.

SINAVAL Informa

FBTS apoia o SINAVAL no conteúdo local

A Fundação Brasileira da Tecnologia da Soldagem manifesta apoio a iniciativa promovida pelo SINAVAL no sentido de impedir que a ANP promova centenas de aditivos aos contratos de exploração e produção celebrados desde 2005, reduzindo índices de conteúdo local.

Enseada assina contrato para receber sonda de perfuração

A Enseada acaba de receber a unidade de perfuração SS Norbe VI, de propriedade da empresa Ocyan, braço de óleo e gás do Grupo Odebrecht. A previsão é que a plataforma permaneça no estaleiro para realização de manutenções de rotina. A unidade encontra-se disponível para novos contratos após um período de sete anos operando para a Petrobras. Não está prevista a realização de serviços que demandem novas contratações de pessoal.

SINAVAL Informa

SINAVAL inaugura eventos com candidatos

O SINAVAL iniciou hoje (dia 17) uma série de eventos com candidatos à Presidência da República, com a participação de seus associados. O objetivo é apresentar e discutir as propostas do Sindicato para o setor e ouvir a visão dos candidatos. No primeiro da série, o SINAVAL recebeu o ex-presidente da Petrobras Sergio Gabrielli, enviado como representante do PT, e a pré-candidata petista ao governo do Rio, Marcia Tiburi.

Frota de sondas volta aos anos 1990

Com contratos vencendo em 2018, Petrobras chegará ao fim do ano com carteira inexpressiva A Petrobras vai fechar 2018 com um indicador nada animador: em dezembro a companhia terá apenas 12 sondas operando no Brasil para atender suas campanhas exploratórias e de desenvolvimento. Poucas iniciativas de contratação de novas unidades estão em andamento e, ainda […]

Força tarefa tenta atrair investimentos para estaleiro Enseada

O governo da Bahia criou uma força tarefa para tentar reaquecer a indústria naval no estado. O foco é a retomada de operação do estaleiro Enseada, localizado em Maragojipe, no Recôncavo baiano. A intenção é atrair investidores e parcerias, além do apoio institucional, para que o empreendimento volte a gerar emprego e renda na região. […]

Últimas Notícias

CCT – Disputa de US$ 1,6 bi por corvetas terá finalistas em outubro

Uma concorrência internacional conduzida pela Marinha do Brasil para a compra de quatro navios militares de alta complexidadetecnológica, as corvetas classe Tamandaré, entra em fase decisiva. As embarcações serão construídas no país com exigência de conteúdo nacional entre 30% e 40% e vão demandar investimentos de US$ 1,6 bilhão em oito anos.

Leilão do pré-sal deve atrair investidor, mas incerteza política pesa

Com a postergação do megaleilão dos excedentes da cessão onerosa, para 2019, a 5ª Rodada do pré-sal ganha ainda mais importância dentro da estratégia das petroleiras. A depender do desfecho das eleições presidenciais, avaliam especialistas do setor, a licitação da semana que vem poderia ser até a última oportunidade de aquisição de blocos no polígono do pré-sal nos próximos anos.

Petrobras busca time para desativação em Marlim

Enquanto aguarda o envio das ofertas para o afretamento dos dois novos FPSOs do projeto de revitalização de Marlim e Voador, em outra frente a Petrobras promove uma concorrência para dar andamento ao descomissionamento das plataformas e estruturas submarinas dos campos.

Mudança na legislação pretende incrementar as atividades marítimas e a economia nacional

A Câmara analisa o Projeto de Lei 10834/18, do Poder Executivo, que pretende modificar a distribuição do Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) e do Fundo da Marinha Mercante (FMM) a fim de destinar recursos ao Fundo Naval, principalmente para a renovação de material flutuante da Marinha. O texto acrescenta dispositivos na Lei 10.893/04.

P-67 passará por reparos na Baía de Guanabara

Dois meses após chegar da China, onde teve seu topside integrado, o FPSO P-67 segue parado na Baía de Guanabara (RJ) e sem data definida para produzir o primeiro óleo no campo de Lula Norte, no pré-sal da Bacia de Santos.

ANP quer aprovar este ano proposta de bonificação sobre conteúdo local

Discutida no âmbito do Pedefor (Programa de Estímulo à Competitividade da Cadeia Produtiva, ao Desenvolvimento e ao Aprimoramento de Fornecedores do Setor de Petróleo e Gás Natural), a proposta visa, dentre os objetivos, estimular a internacionalização dos fornecedores de bens e serviços instalados no país.

Estaleiro Rio Grande é sondado sobre P-71 e movimentação de cargas

Um estudo elaborado pela consultoria Agência Porto aponta que a retomada das operações do Estaleiro Rio Grande (ERG) deve ir além da montagem e fabricação de plataformas e embarcações. De acordo com o levantamento, a recém homologação do plano de recuperação judicial do grupo Ecovix, responsável pelo empreendimento, abre possibilidades para a retomada das operações em Rio Grande.

Em nova fase, estaleiro enseada negocia construção de módulos de FPSOs e diversifica negócios

Começou um novo tempo para o Estaleiro Enseada, na cidade de Maragogipe (BA). Após a densa crise que tanto prejudicou a indústria naval, foram necessárias mudanças na empresa. Após mais de dois anos de um intenso trabalho de reestruturação, chegou a hora do período de colheita dos resultados positivos, conforme revela o presidente da Enseada, Maurício de Almeida. O executivo contou que houve uma expressiva redução de 70% do valor das dívidas da companhia, sendo que os outros 30% foram reestruturados e serão pagos em até 19 anos. Com uma série de conquistas na parte financeira, a parte operacional também traz boas novidades.

Plataforma de petróleo ‘salva’ exportações gaúchas em agosto

As exportações gaúchas tiveram uma ajuda de peso pesado em agosto. A plataforma de petróleo (P-75), montada na China e que nem chegou a atracar em Rio Grande para depois seguir à Bacia de Santos, contribuiu com divisas de US$ 1,3 bilhão. O equipamento não chega a sair do Brasil, mas é contabilizado como exportação para a subsidiária da Petrobras no Panamá. Em fevereiro, a P-74 saiu do estaleiro da EBR, em São José do Norte, para a área do pré-sal.

BNDES quer incentivar inovação na cadeia de petróleo

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) sinalizou nesta quinta-feira, 13, para o mercado de petróleo e gás que terá mecanismos para incentivar projetos com componentes relevantes de inovação e sustentabilidade no setor. De acordo com a chefe do departamento de bens de capital, indústria e serviços do banco, Ana Cristina Rodrigues da Costa, que participou de seminário sobre conteúdo local no Rio, o banco estuda novas políticas de tramitação para vários setores, inclusive petróleo, que devem ser anunciadas após as eleições.

Petrobras prevê investir US$ 35 bi em 13 novas plataformas no pré-sal

A Petrobras prevê a entrada em operação de 13 plataformas petrolíferas na camada do pré-sal até 2022, com investimentos estimados de US$ 35 bilhões. De acordo com a companhia, dez anos após o início da operação no pré-sal, a produção na área alcança 1,5 milhão de barris diários de petróleo, com 21 plataformas em operação.